10 DICAS PARA ECONOMIZAR ENERGIA ELÉTRICA DURANTE O PERÍODO DE ISOLAMENTO SOCIAL

11 Julho 2020

Em maio de 2019, a Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia ( Abraceel ) , realizou um estudo, onde apontou que 87% dos brasileiros consideram que a energia elétrica é cara ou muito cara. Devido ao estudo feito e coincidindo com o isolamento social agora neste ano corrente e comparando com o mês maio, as pessoas ficando mais tempo em casa, haverá consequentemente um aumento no consumo de energia elétrica em seus lares e/ou unidades consumidores – e muitos lares não disponibilizam o uso de fontes alternativas de energia, como a fotovoltaica, que ajudam a reduzir os custos do consumo de energia elétrica.

As condições climáticas volta e meia tem afetado os recursos hídricos, e por sua vez estes recursos colaboram com geração de energia por parte das hidroelétricas, representando cerca de 70% da matriz elétrica. O Brasil enfrenta problemas para garantir a geração de energia, como explica a professor do curso de Engenharia Elétrica da Unic Rondonópolis, Gilberto de Sousa Bruno. “Mesmo com uma hidrografia invejável e com novas hidrelétricas sendo construídas, e uma demanda de consumo elétrico oscilante, não conseguimos garantir uma condição favorável de disponibilidade para geração de energia de forma uniforme ao longo do ano inteiro. É ressalta-se a importância da consciência no consumo”

Para utilizar a energia de maneira consciente, que ajude o meio ambiente, e ainda economizar na conta de luz, o professor de Engenharia Elétrica da Unic Rondonópolis dá algumas dicas:

1. Entender a potência do aparelho

Algumas pessoas compram aparelhos ou equipamentos por impulso ou por recomendação do vendedor. Elas têm em casa a melhor fritadeira elétrica, a chapinha mais quente, o chuveiro com maior vazão, por exemplo. Muitas vezes, essa potência toda não se justifica. Por isso, é importante conhecer o tipo de aparelho para compreender se sua instalação elétrica residencial está adequada para recebê-lo, entender qual a sua eficiência energética e o quanto ele representa de consumo de energia, ou seja, a contribuição ao final da fatura.

2. Geladeira e fogão próximos não combinam

Esses dois equipamentos próximos podem interferir no consumo de energia um do outro, devido às diferenças de temperatura. O calor do fogão, quando a geladeira está ao lado, pode atrapalhar muito o desempenho do equipamento. Procure posicioná-los em locais distantes para garantir o funcionamento adequado.

3. Mantenha o filtro do ar-condicionado limpo

O uso do ar-condicionado racionalmente não tira o conforto ou a qualidade de quem usa. A dica desse equipamento é manter sempre os seus filtros limpos, efetuar manutenções preventivas pelo menos uma vez a cada semestre com pessoas especializadas e dimensionar o ar ideal para o ambiente em que está instalado. Vale lembrar que os condicionadores de ar mais recentes possuem novas tecnologias que estão preocupadas com a eficiência energética.

4. Prefira os ventiladores

Para quem não tem o ar-condicionado ou quer economia na conta de energia, o uso do ventilador é uma boa opção. O produto pode consumir até 80% a menos em potência (watts) do que um ar-condicionado de 7.500 BTUs ou 2.197 watts. Prefira as versões mais econômicas, com qualidade e teste comprovados de sua eficiência pelos órgãos certificadores. Outra dica é aproveitar a ventilação natural sempre que possível.

5. Mantenha a geladeira fechada e verifique as borrachas de vedação

Procure ser rápido e preciso na escolha dos alimentos armazenados na geladeira. Parece básico, mas muita gente ainda abre a porta e fica observando por minutos, desnecessariamente. Neste período todo em que a geladeira fica aberta, ocorre troca de temperatura com o ambiente, o ar gelado que mantém a temperatura adequada acaba saindo. Então, os sensores indicam que precisa ligar o motor para gelar de novo e assim manter a temperatura ideal. Além disso, em algumas residências, a geladeira é o aparelho doméstico que tem o custo mais alto de utilização, por isso, mais uma dica: verifique a borracha de vedação da porta. Se estiver em estado ruim, faz o motor ligar mais vezes para manter a temperatura e, com isso, o consumo pode impactar na conta de energia.

6. Passe a maior possível de roupas

Caso tenha o hábito de passar roupas em poucas quantidades e todos os dias, saiba que é preciso mudar. Acumule a maior quantidade de roupas e tire um dia da semana para passa-las. Ligar o ferro várias vezes por semana certamente refletirá na conta de energia.

7. Dê preferência por aparelhos certificados PROCEL

Até algumas marcas de carros já possuem o selo PROCEL, os que têm a categorização por letras. Equipamentos eletrodomésticos são identificados de “A” até “G”, sendo o selo com classificação “A” o mais eficiente. Dê preferência por ele, pois isso ajuda o meio-ambiente e o bolso do consumidor.

8. Não demore no chuveiro

Além de ser um dos aparelhos que mais consome energia na residência, passar muito no chuveiro representa o desperdício de água. O gasto varia conforme a potência do equipamento e tempo de permanência, por isso, lembre-se que consumo consciente evita surpresas na conta.

9. Evite “gambiarras” elétricas

Avalie se as instalações elétricas e os circuitos estão dimensionados corretamente para receber ligações dos eletrodomésticos. Caso não esteja, pode aquecer o condutor e derretê-lo, ocasionando um efeito térmico e aumentando as chances de um curto circuito ou, conforme a situação, até um incêndio. Evite usar benjamins (ou Tes) na mesma tomada e ligar vários aparelhos com potências diferentes, isso também produz efeito joule (quando a energia elétrica se transforma em térmica, ou seja, calor), consome energia e aumenta a possibilidade de incêndios.

10. Evite Stand-by

Os aparelhos, quando ficam em stand-by, também consomem energia. Essa ação pode representar até 12% do consumo total do aparelho. A dica importante, se não utiliza o aparelho com tanta frequência, tire-o da tomada e o gasto de energia cairá.

“Aproveitar as dicas e transformá-las em hábitos são uma forma cultural de pensar no meio ambiente e no bolso. Além disso, nunca se esqueça de um princípio básico: se ninguém está usando no ambiente não há necessidade de manter a iluminação acessa. Luz apagada não se paga. Pense nisso!”, finaliza o professor do curso de Engenharia Elétrica da Unic Rondonópolis, Gilberto de Sousa Bruno.

Comentários
WeCreativez WhatsApp Support
Nossa equipe de suporte ao cliente está aqui para responder às suas perguntas. Pergunte-nos qualquer coisa!
👋 Oi, como posso ajudar?